terça-feira, 15 de junho de 2010

Egoismo é bem diferente de altruísmo

Egoismo é bem diferente de altruísmo. Ha quem confunda algumas formas de egoismo com o facto de se estar perante uma pessoa altruista. contudo há diferenças.interessante estes estudo
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Várias formas de EGOISMO

O egoísmo psicológico é a teoria da natureza humana que afirma que a conduta está impulsionada por motivações autointeressadas ou ruins, e nega a existência de condutas verdadeiramente altruístas, esta teoria tem sido defendida no passado por Thomas Hobbes, e em nossa época por Moritz Schlick

Também deve diferenciar-se do egoísmo ético, de acordo com o qual os indivíduos devem moralmente estar motivados por seu próprio interesse e do egoísmo racional, que confirmam que a conduta racional em todas circunstâncias é aquela que maximiza os interesses do actor.

A forma mais importante de egoísmo psicológico é o hedonismo psicológico, teoria que assegura que o desejo de experimentar prazer ou do evitar é o motivo que guia todas as acções humanas voluntárias.

O hedonismo é uma importante corrente filosófica dos tempos clássicos dos gregos e os romanos que actualmente tem perdido importância como teoria, mas a conserva como prática usual. Seu valor número um é o prazer sensível e, por tanto, coincide com o critério que se está a descrever. Alguns dos autores, dentro de seu refinamento teórico, acrescentam os prazeres de ordem espiritual e surgem então regras como: "Aceita uma dor que te propicie um prazer maior", "recusa um prazer que te conduza a uma dor maior". O Hedonismo é a doutrina filosófica baseada na busca do prazer e a supressão da dor como objectivo ou razão de ser da vida. As duas escolas clássicas do hedonismo são a escola cirenaica e os epicúreos.

O egoísmo moral, ou egoísmo ético, é uma doutrina ético filosófica que afirma que a pessoas devem ter a normativa ética de fazer para seu próprio interesse, e que tal é a única forma moral de fazer, no entanto permite realizar acções que ajudem a outros, mas com a finalidade que o ajudar nos dê um benefício próprio o tomando como um médio para conseguir algo proveitoso. Afirma que a validade de uma teoria ou praxis se encontra em sua contribuição directa à edificação positiva e responsável pelo eu ou desenvolvimento pessoal.
O egoísta moral baseia-se na afirmação de si mesmo; que o converte em seu próprio soberano ao o voltar consciente de sua realidade moral e pessoal. A realidade é a de sua própria existência e sua viver em uma realidade determinada, que se a cada pessoa se preocupa por cumprir seus interesses individuais estaremos melhor em conjunto. Está vinculado à dimensão moral de formas de subjectivismo ou solipsismo radical.


O egoísmo racional é a tese de que a busca do próprio interesse é sempre racional.o egoísmo racional é um ponto de vista a respeito da racionalidade

ALTRUISMO

Percebida muitas vezes como sinônimo de solidariedade, a palavra altruísmo foi criada em 1830 pelo filósofo francês Augusto Comte para caracterizar o conjunto das disposições humanas (individuais e coletivas) que inclinam os seres humanos a dedicarem-se aos outros. Esse conceito opõe-se, portanto, ao egoísmo, que são as inclinações específica e exclusivamente individuais (pessoais ou coletivas).

Além disso, o conceito do altruísmo tem a importância filosófica de referir-se às disposições naturais do ser humano, indicando que o homem pode ser - e é - bom e generoso naturalmente, sem necessidade de intervenções sobrenaturais ou divinas.

Na doutrina comtiana, o altruísmo pode apresentar-se em três modalidades básicas: o apego, a veneração e a bondade. Do primeiro para o último, sua intensidade diminui e, por isso mesmo, sua importância e sua nobreza aumentam. O apego refere-se ao vínculo que os iguais mantêm entre si; a veneração refere-se ao vínculo que os mais fracos têm para com os mais fortes (ou os que vieram depois têm com os que vieram antes); por fim, a bondade é o sentimento que os mais fortes têm em relação aos mais fracos (ou aos que vieram depois).
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

CONCLUSAO

Há por ai muitas pessoas que sendo elas egoístas pois mesmo fazendo o bem fazem-nos com a intenção de usufruir de bem estar próprio, que se confundem com as pessoas altruístas as que fazem o bem, tem apego detém genuína bondade e nao vem malícia abrindo seu coração sem reservas e com toda a sinceridade sem camuflagens. Há que aprender a distinguir entre egoísmo e altruísmo porque sao coisas bem diferentes muito diferentes que revelam o carácter de uma pessoa.
O Altruísmo é o que conduz à luz... o verdadeiro altruista é um ser iluminado, desprovido de ego, de manias, de maldade, assumindo responsabilidades que por vezes nem lhes deveriam ser impugnadas,querendo apenas o bem dos outros mesmo que esteja acima do seu e que com isso se prejudique.Muitas pessoas egoistas agem querendo fazer-se passar por altruistasm, contudo nas suas façanhas de bondade so as efectuam se detiverem proveito nem que seja para seu proprio ego.Se não houver proveito próprio o desinteresse em fazer algo de bom ou conhecer alguem instala-se...chama-se a isto um ser humano egoista, que esta de costas para a luz.
Não ha nada pior na vida do que quem usa mascaras. Pior são aqueles que são muito bem falantes, parecem calmos, afirmando frontalidade que escondem a quem tentam conquistar para não perder a possibilidade de usufruto de algo que deseja para seu único e próprio bem, e no intimo mantém uma frieza, calculismo e poder manipulador exacerbados de um ego exorbitante onde a palavra que mais se houve será depois de um grande nível de confiança e após a mascara cair "EU QUERO EU POSSO EU FAÇO EU isto EU Aquilo" não no obstante de partilhar experiências, mas numa realidade de impor a sua própria vontade a sua forma de querer as coisas não tendo em mente que se vive com outros e que a opinião e vontade dos demais também conta e que na vida deve-se fazer cedências puras. reais verdadeiras sem esperar retorno das mesmas.
Na realidade A vida é um mar de decisões, uma constante mutação, aprendizagem permanente em que se conclui que afinal pouco sabiamos e muito mais temos aprender. É a forma de começarmos a encarar as coisas alegres ou dificeis de se suportar, como eventos que não passarão disso e com o tempo passam. Umas se ultrapassam,outras nos ...marcam pela positiva ou pelo negativo,mas faz tudo parte do nosso desígnio da vida.Na~vale a pena andar a enganar uns aos outros ou atropelar uns aos outros. A aprendizagem pode ser una, de todos e para todos na partilha e não na cobrança e mentira camuflada.
----------------------------------------------------
cuidado com os "lobos" que vestem "pele de carneiro" ha que estar atento pois têm proliferado cada vez mais.

Sem comentários: